Pular para o conteúdo principal

O Livro de Oração Comum e sua dimensão Comunitária

Consagração da Igreja | Programa Memórias do Libano
✍🏻 Copilado por Reverendo Leandro Antunes Campos 
assistente social, teólogo anglicano, e ativista dos direitos humanos


SANTOS - A noção da Igreja como povo de Deus lembra que a salvação, embora pessoal, não considera as pessoas de maneira individualista, mas como inter-relacionadas e interdependentes. A noção de povo de Deus  chama a atenção para a totalidade dos batizados: todos fazem parte do povo sacerdotal, profético e real.

O Livro de Oração Comum - IEAB: 2015 nos oferece algumas pistas para nossa reflexão inicial. Fazendo uma breve busca das palavras bispo(episcopisa), presbítero(a), diácono(a), e povo (leigo/a) encontramos: 

Povo (de Deus) (laós tou teou) - 484 vezes
Bispo(episcopisa) - 356 vezes
Presbítero(a) - 117 vezes
Diácono(a) - 81 vezes

Embora bispos (episcopisas), presbíteros(as) e diáconos(as) estejam incluídos na categoria povo, nem todos os integrantes do povo estão integrados no ministério específico dos(as) bispos (episcopisas), presbíteros(as) e diáconos(as).

O Termo grego laos tou teou, significa originalmente “a multidão” e “o povo como uma nação”. Ele foi eventualmente empregado na tradução grega do Antigo Testamento (septuaginta) como designação universal para “o povo de Deus”. Em Atos 15.14, no concílio Apostólico, Tiago faz a conexão entre o Israel nacional do Antigo Testamento com o povo recém-reconstituído de Deus em Cristo: “Simão nos expôs como Deus, no principio, voltou-se para os gentios a fim de reunir dentre as nações um povo (laón) para seu nome”. 

Enquanto na Igreja hodierna observa-se classes de pessoas separadas por educação, ordenação e entonação, no Novo Testamento encontra-se um ministério popular com lideres, também membros do laós, servindo para equipar o povo para o trabalho do ministério. O povo de Deus (laós) era composto por Judeus e gentios, homens e mulheres, ricos e pobres, escravos e livres, sendo todos juntos a herança escolhida de Deus.

O laicato como um todo é um “verdadeiro sujeito eclesial”. Cada cristão leigo e leiga é chamado a ser sujeito eclesial para atuar na Igreja e no mundo. A Francisco de Assis o Cristo Crucificado ordenou: “Vai e reconstrói a minha Igreja”. Temos firme esperança de que continuarão dando grande contribuição à renovação da Igreja de Cristo e sua atuação no mundo. 

O cristão leigo é verdadeiro sujeito eclesial mediante sua dignidade de batizado, vivendo sua condição de filho de Deus na fé, aberto ao diálogo, à colaboração e a corresponsabilidade com os pastores. 

Como sujeito eclesial, assume seus direitos e deveres na Igreja, sem cair no fechamento ou na indiferença, sem submissão servil nem contestação ideológica. Ser sujeito eclesial significa ser maduro na fé, testemunhar amor à Igreja, servir os irmãos e irmãs, permanecer no seguimento de Jesus, na escuta obediente à inspiração do Espírito Santo e ter coragem, criatividade e ousadia para dar testemunho de Cristo.

“A maior parte dos batizados ainda não tomou plena consciência de sua pertença à Igreja... Persiste ainda forte mentalidade clerical que dificulta a corresponsabilidade, o protagonismo e a participação do(a) leigo(a) como sujeito eclesial.

Quando o LOC-IEAB, 2015 busca promover o protagonismo do povo (leigos e leigas)  devolve parte de seu protagonismo, e cria as condições necessárias para uma maior corresponsabilidade e participação na sua dupla vocação para atuar na Igreja e no mundo. Recordemos nossa Aliança Batismal.

ALIANÇA BATISMAL 
(...)

Perseverarão na doutrina dos apóstolos e apóstolas, na comunhão, no partir do pão e nas orações? 
Assim farei, com a ajuda de Deus. 

Continuarão resistindo ao mal e, se porventura caírem em pecado, sempre buscarão, em arrependimento,  o perdão do Senhor? 
Assim farei, com a ajuda de Deus. 

Proclamarão, por palavra e exemplo, as boas novas do Reino de Deus? 
Assim farei, com a ajuda de Deus. 

Empenhar-se-ão que novas pessoas fiéis sejam ensinadas,batizadas e nutridas no rebanho de Cristo? 
Assim farei, com a ajuda de Deus. 

Buscarão responder às necessidades humanas com amor, servindo a Cristo em cada pessoa? 
Assim farei, com a ajuda de Deus. 

Procurarão transformar as estruturas injustas da sociedade, desafiando toda sorte de violência, respeitando a dignidade de toda pessoa humana e buscando a paz e a reconciliação? 
Assim farei, com a ajuda de Deus. 

Lutarão para salvaguardar a integridade da criação? 
Assim farei, com a ajuda de Deus.


ORAÇÃO
Batismo de Nosso Senhor Jesus Cristo [Tempo Comum 1] 
Gracioso Deus, que no Batismo de Jesus, no Jordão, o proclamaste teu amado Filho e  o ungiste com o Espírito Santo; concede que as pessoas batizadas em seu nome guardem constantes a aliança que estabeleceste e, com ousadia, o confessem Senhor e Salvador, o qual vive e reina contigo e com o Espírito Santo, um só Deus, agora e sempre. Amém. 

-----------

pesquisado em: https://www.recantodasletras.com.br/artigos-de-religiao-e-teologia/5065288 

pesquisado em: https://www.cnlb.org.br/   Documento 105

LIVRO DE ORAÇÃO COMUM. Igreja Episcopal Anglicana do Brasil: Porto Alegre, 2015.

e-mail: leandro.campos@aol.com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

DOM SALOMÃO FERRAZ

por Reverendo Leandro Antunes Campos assistente social, teólogo anglicano, e ativista dos direitos humanos
SANTOS - Um dos mais icônicos religiosos da história do Brasil, também passou pela Paróquia de Todos os Santos - Igreja Anglicana, como atestam os registros de serviços paroquiais no ano de 1932. Sua Excelência Reverendíssima Dom Salomão Barbosa Ferraz, nasceu em 18 de Fevereiro de 1880, em Jau - Brasil, tendo sido pastor presbiteriano e anglicano. Mais tarde fundou a Igreja Católica Livre do Brasil, hoje denominada de Igreja Católica Apostólica Independente. Dom Salomão recebeu a Sagrada Ordenação Presbiteral em 18 de Julho de 1945. Mais tarde, em 15 de Agosto de 1945, recebeu das mãos de Sua Excelência Reverendíssima Dom Carlos Duarte, a Sagrada Ordenação Episcopal.
Durante o Concílio Vaticano II, e ainda no Pontificado de João XXIII, Dom Salomão Ferraz pede incardinação na Igreja Católica Romana, sendo aceito sem nenhum tipo de re-consagração como Bispo Titular de Eleutherna, em …

Preparação para Crisma (Confirmação do Batismo)

por Reverendo Leandro Antunes Campos assistente social, teólogo anglicano, e ativista dos direitos humanos
SANTOS - O Espírito Santo é força que impulsiona a vida da Igreja.
O Sacramento da Crisma é um encontro especial com Jesus, todo cristão precisa de um dom especial do Espírito para que a semente da vida nova, plantada no Batismo, não morra, mas, pelo contrário, se desenvolva, cresça e dê muito fruto, fruto em abundância.
Na certeza do Espírito Santo que age em nós, queremos unir família e igreja na formação cristã dos nossos fiéis e colaboradores.
Compromisso
• A preparação para o Sacramento da Crisma exige dos crismandos a abertura necessária para viver cada encontro com o desejo de conhecer Jesus Cristo, sua palavra e a doutrina da nossa fé. • Participação nos eventos religiosos da Igreja (Missa da Páscoa, Missa de Pentecostes, Missa de Natal, Aniversário da Igreja, Ação de Graças e outros) • Participação dos crismandos na Missa aos domingos
Sentimo-nos honrados em preparar todos…

Os dez mandamentos

Traduzido e copilado por Reverendo Leandro Antunes Campos
assistente social, teólogo anglicano, e ativista dos direitos humanos
última atualização: 11/07/2020
SANTOS - Os Dez Mandamentos (em hebraico: עֲשֶׂרֶת הַדִּבְּרוֹת, Aseret ha'Dibrot), segundo as Sagradas Escrituras Êxodo 20:1-17, Deuteronômio 5:5-21,  possuem catorze declarações arranjadas pedagogicamente pelo Catecismo da Igreja Anglicana (LOC/TEC p.847,848), na Ordem penitencial - O Decálogo, do LOC/IEAB 2015, p. 290,291. que está presente no Rito I da Santa Eucaristia.
Para Hatchett, No Livro de 1552 o decálogo substitui o Kyrie (9 repetições) do LOC de 1549. Os revisores queriam incluir na Liturgia Dominical pelo menos três coisas que qualquer criança deveria saber antes da confirmação: a Oração do Senhor, O Credo, e os Dez Mandamentos.
Dos tempos Elizabetanos foi requerido que os três textos estivessem dispostos preliminarmente diante do povo em cada igreja, um costume que caiu em desuso apenas em décadas recentes. A …