sexta-feira, 8 de fevereiro de 2019

Testemunho & Reflexão: Uma Igreja Imprevidente



+ Rev. Leandro 


Vejo os jornais e revistas anunciarem os 5 pastores (bi)milionários no Brasil, detentores de poder político, mídia e muito, muito, muito dinheiro.
Isto abala a Igreja e os dizimistas de um modo geral, e faz-nos questionar qual o melhor caminho entre o nosso bolso e a caridade, para que não se perca nos meandros da corrupção eclesiástica.
A bem da verdade o que não se diz que uma grande maioria de padres e pastores, poderia dizer 90% sem medo de errar. Vive uma vida muito simples.
Há pastores e missionários que têm como única fonte de renda seu trabalho secular e dedicam-se abnegadamente à serviço da Igreja. Dentre os mais simples sem nível universitário qualquer.
Daquelas instituições que garantem uma residência, transporte e estipêndio (remuneração para os ministros ordenados), não passam de 2 a 3 salários mínimos.
Estou cansado de ouvir casos de ministros ordenados e missionários que após uma vida inteira de serviço dedicado a cuidar das pessoas após ser jubilado (aposentar-se) é esquecido e por não ter tido condições de pagar a previdência, vêem-se como outros milhares de brasileiros dependentes do BPC (LOAS).
Citando o Concílio Vaticano II, previa-se que os ministros ordenados e até mesmo os leigos de dedicação exclusiva para o serviço da Igreja recebesse uma ajuda de custo que garantisse sua dignidade e bem-estar.
Nas Igrejas protestantes são poucas que não permitem aos seus pastores que dediquem-se parcialmente ao trabalho secular que seja compatível com o pastorado, nesta linha muitas vezes é destacado uma profissão liberal (professor, advogado, psicólogo, etc.)
Seja como for, o modo como cuidamos daqueles que se dedicam exclusivamente para o serviço do Evangelho e da Igreja é um sintoma da saúde e da consciência da própria comunidade de fiéis batizados.
Somos todos nós responsáveis pela integridade daqueles que nos deram sua dedicação e serviço por 10, 20, 30 anos ou mais na pregação do Evangelho e na ministração dos Sacramentos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

CASAMENTO COMUNITÁRIO 2019