sexta-feira, 8 de fevereiro de 2019

Catequese sobre as Vestes Episcopais



+ Rev. Leandro


Embora haja defensores de vestes litúrgicas e defensores de vestes seculares para ministros religiosos, cada vez mais cresce a tendência de respeitar os usos e costumes locais de acordo com a cultura.
Pelas vestes podemos reconhecer as famílias religiosas: franciscanos, beneditinos, dominicanos, etc assim como ministros leigos, bispos, presbíteros e diáconos.
Na liturgia o uso de vestes eclesiásticas tem a função de identificar o presidente e os auxiliares dos demais fiéis batizados.
Haveria então qualquer motivo para usar as vestes fora da Liturgia?
Dom Robinson Cavalcante dizia que usava o clérgima por todos os lugares por onde passava e quando alguém perguntava o seu significado ele dava um sorriso e aproveitava a oportunidade para Evangelizar.
O Exército de Salvação tem seu vestuário próprio que lembra que todos somos Soldados de Cristo e que devemos lutar contra a injustiça e atender com amor os pobres.
A pergunta é se há alguma roupa exclusivamente distinta dos bispos, ou elas são comuns a todos os clérigos ou a todo o povo cristão.
Vejamos:
- A túnica (alva) é a veste batismal, nos recorda o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo;
- A batina preta nos lembra que morremos para as coisas deste mundo, e nascemos para o reino de Deus;
- A sobrepeliz junto com a batina são as roupas dos leigos e clero para os ofícios corais;
- A Estola representa o julgo de Cristo, sendo a diaconal que remete a Eternidade e a sacerdotal o Bom Pastor;
- A Casula (pequena casa) veste eminentemente Eucarística;
- A Capa Pluvial para procissões, solenidades, e instalações;
- A Chamarra e o roquete que tem origem acadêmica e aos poucos foi utilizada pelos bispos nos ofícios corais, mas também é usada pelos regentes e sacristãos;
- A Mitra símbolo do governo do bispo é compartilhada com Abades e Abadessas;
Então, não há uma roupa que seja distintivo de um grau da ordem, porém há distintivos episcopais:
- O Anel episcopal, que simboliza o compromisso com a Igreja;
- O Báculo, cajado pastoral que representa a jurisdição do bispo diocesano;
- A Cruz Peitoral, cada um tome a sua cruz e siga o Cristo;
Mas ainda, o anel, báculo e cruz são símbolos universais. E se de um lado reforçam o ministério do bispo, são também o símbolo do ministério da Igreja como um todo.
Como diz o poeta: O essencial é invisível aos olhos!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

.

.

.

.