terça-feira, 30 de outubro de 2018

Mensagem do Monsenhor Leandro: Eles têm olhos para ver, mas não enxergam



A imagem pode conter: uma ou mais pessoas, barba e close-up


Eles têm olhos para ver, mas não enxergam.
por Monsenhor Leandro

Recorro ao Mito da caverna que é uma metáfora criada pelo filósofo grego Platão, que consiste na tentativa de explicar a condição de ignorância em que vivem os seres humanos e o que seria necessário para atingir o verdadeiro “mundo real”, baseado na razão acima dos sentidos para refletir sobre os últimos dias.

Segundo analistas do mundo digital há um algoritmo que ajusta a alimentação de conteúdo de acordo com as preferências, alinhamento e comportamento de cada um. Se por um lado isso facilita a leitura do que é relevante para você — até porque ninguém teria tempo ou interesse para acompanhar tudo o que milhares de amigos e páginas compartilham por ali —, por outro também cria as chamadas “bolhas” de realidade digital.

Ao impulsionar os algoritmos, segundo sua percepção de realidade, sentimentos, raiva, nojo, etc. cria-se a possibilidade de manipular as pessoas contra esse e aquele candidato, esse e aquele produto, esse ou aquele grupo. Isso é feito cuidadosamente para que não se perceba a indução e de acordo com a tendência da pessoa para essa ou aquela realidade dada.

A cura do cego Bartimeu consiste muito mais numa percepção de Jesus sobre Bartimeu do que a ação de Jesus sobre sua cegueira. Bartimeu havia enxergado o que muitos com olhos sadios não eram capazes: que Jesus era o filho de Davi, o Messias. Tal leitura da realidade o conduziu a condição de cidadão do Reino, a re-integração social da sociedade judaica, e ao ato milagroso de Jesus de conceder-lhe a visão física.

A cegueira não estava em Bartimeu mas na multidão que vendo Jesus era incapaz de reconhecê-lo como o libertador e rei de Israel, e que meramente desejavam alçá-lo a condição de um líder político contra o domínio romano. Tal cegueira é amplamente percebida hoje no mundo digital. Ficamos presos a bolha que foi criada para nós, e não vamos além daquilo que os algoritmos nos permitem ir.

Para romper com a bolha e a manipulação dos algoritmos proponho o uso crítico das redes sociais. Use as ferramentas adequadas para configurar as preferências do seu feed de notícias; não deixe de seguir todas as pessoas que discordam de você; use app com diversidade de publicações; valorize as opiniões fora das redes sociais; e principalmente evite fontes duvidosa.

Muitas vezes é preferível voltar as origens. Ligar ou escrever uma carta, ler diversas fontes de jornais e revistas, reunir-se regularmente com os amigos para bater papo e discutir sobre temas variados, enfim sair da caverna digital e buscar ir além da bolha fazendo um reconhecimento do mundo real ao nosso redor.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

New religious communities in Brazil