quinta-feira, 1 de fevereiro de 2018

Entrevista com o Pároco de Santos

Rev.º Padre Leandro Antunes Campos


>>Como foi o processo de constituição da paróquia anglicana e o que representa a comunidade cristã anglicana em Santos nos dias de hoje?

A nossa paróquia de Todos os Santos surgiu no início do século 20 pela iniciativa dos cristãos anglicanos (episcopais), que se instalaram em Santos e região, essencialmente imigrantes trabalhadores de empresas como Wilson Sons, São Paulo Raiway, Bank of London, The City Santos Improvement Company., etc.

Hoje congregamos cristãos anglicanos e de outras confissões cristãs (ortodoxos, católicos e evangélicos) que juntaram-se conosco neste itinerário espiritual rumo ao Reino de Deus.



>>Qual é a missão que realiza a vossa paróquia em relação à comunidade local?

Nós não nos limitamos a fazer missas. Depois das missas há lugar para tomar o café, para conversar e fortalecer os laços dos membros da comunidade. Mantemos curso de língua inglesa para membros e comunidade em geral. Realiza-se um trabalho social: ajudamos às pessoas que passam necessidades.


A nossa paróquia apadrinha também duas entidades sociais: o Centro de Direitos Humanos Irmã Maria Dolores e a Cruz Vermelha Brasileira – filial Santos;


>>Como é que desenrolam as relações entre a paróquia e os representantes da comunidade britânica e internacional?

Além de serviço regular mensal em língua inglesa (segundo domingo às 9h), realizamos anualmente o Remembrance Sunday Service em memória dos ex-combatentes das primeira e segunda grande guerras mundiais com a presença da comunidade britânica e internacional em prol da The Royal British Legion – Sao Paulo Branch.


>>A cultura ocidental passa pela descristianização, o que não é nenhum segredo. O mundo ocidental contemporâneo tem o desejo de ser salvo?

Um dos problemas espirituais dos cristãos anglicanos, que vivem no Brasil, é recordar-lhe das raízes cristãs e da sua identidade cristã. Esta identidade impetuosamente cai no abismo. A perda pode acabar com o neo-paganismo e barbárie. Só se pode imaginar o que nos espera no século presente, que formas totalitárias pode tomar a descristianização e a desumanização, tendo em conta o seu potencial tecnológico. O totalitarismo é sempre possível. Conclamamos todos os anglicanos na luta contra a descristianização e desumanização, na luta pela defesa da identidade cristã brasileira. Na luta pelo Brasil.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Mensagem Pastoral de Pentecostes 2018

O ruído, o vento impetuoso, as línguas de fogo e os discípulos: Ao cumprir-se o dia de Pentecostes, estavam todos reunidos (os discíp...