DEUS NÃO AMA A TODOS


Imagem relacionada

Mensagem do Rev. Leandro Antunes Campos em 06/08/2017
Festa da Transfiguração de Jesus Cristo
A afirmação de que "Deus não ama a Todos" parece contradizer toda a lógica e as Sagradas Escrituras a primeira vista, mas sua intenção é suscitar uma reflexão franca e mais profunda da fé.
O senso comum nos diz que cada pessoa é capaz de fazer um "Mix Religioso" pegando de cada tradição religiosa aquilo que mais lhe apraz e descartando "o resto", como se isso fosse possível.
Os sociólogos da religião demonstram "o trânsito religioso" e ultimamente a dupla, tripla ou poli - filiação religiosa. Há uma relativização dos ensinamentos cristãos co-existindo com ensinamentos e filosofias de outras correntes de pensamento, mesmo aquelas que são incompatíveis com o cristianismo.
Em João 3:16 está escrito: "Que Deus amou o mundo de tal maneira que deu seu filho único para que todo que nele crê não pereça mas tenha a vida eterna."
O mundo a que se refere o evangelista do I século da era cristã - segundo a razoabilidade hermenêutica, não seria maior que Israel, ou ainda o Oriente Médio, e na hipótese mais abrangente o Império Romano (Mundo Conhecido).
Ainda que sintamos o desejo de estender "o mundo" para o sentido de "planeta terra" ou ainda, todo o universo, toda a criação divina; é mais plausível que João estivesse mesmo se referindo primariamente a sua própria geração - até porque muitos dos apóstolos e discípulos criam que não morreriam sem ver a segunda volta de Jesus Cristo.
A outra argumentação sobre o amor de Deus e sua extensão é que embora dirigido a TODOS ele torna-se eficaz - portanto salvação, apenas para os que creem em Deus.
Em Hebreus 11:6 está escrito: "Sem fé é impossível agradar a Deus. Pois aquele que se aproxima de Deus deve crer que ele existe e que recompensa os que o procuram."
A preocupação sobre o que acontece com o "Bom Ateu" - aquele que mesmo sem crer é um bom cidadão, é uma preocupação exclusiva do crente, pois para o Ateu após a morte existe apenas o NADA.
No último sermão que proferi "Somos Todos Inúteis" deixei de lado um argumento polêmico, entre os cristãos, que trata da "colaboração divina-humana" para a salvação. No qual, Deus chama a TODOS para experimentarem o seu amor/salvação, porém a Humanidade é livre para aderir ou não ao seu projeto de amor, justiça, paz e fraternidade em Jesus Cristo.
Na leitura da Transfiguração de Jesus, vemos Moisés e Elias, enviados por Deus-Pai para apoiar Jesus em um momento crítico de seu ministério, entre o primeiro e segundo anúncio de sua paixão e morte, ao mesmo tempo em que Jesus espera que ao transfigurar-se pudesse fortalecer a fé de Pedro, Tiago e João, para enfrentarem o derradeiro momento.
Abrindo um parenteses neste ponto há relatos que os discípulos queriam construir tendas para Jesus, Moisés e Elias, ao que foram repreendidos pelo próprio Jesus.
Há cerca de 50 anos uma denominação estadunidense construiu uma casa (mansão) para Abraão, Isaac e Jacó, uma vez que estavam certos da segunda vinda de Cristo e de que a ressurreição dos profetas antecederia a sua vinda. Diga-se de passagem que o único que usufruiu da mansão era o reverendo que liderava aquela religião/seita.
Para nós Anglicanos, é o filho de Deus, Jesus, que nos mostra o amor extremado do Pai. Pois na Transfiguração ele nos dá a conhecer o novo homem e nova mulher que podemos nos tornar ao responder com fé ao chamado amoroso do nosso Criador.
A Transfiguração está ligada a crucificação, e a crucificação está ligada a prova de amor de Jesus por nós. Pois está escrito em 1 João 3,16 "Nisto conhecemos o amor; ele deu a sua vida por nós."
A colaboração divina-humana é respondermos essa prova de amor pela fé em Deus, na obra de seu filho impulsionados pelo Espírito Santo.
É crer no nome do seu Filho Jesus Cristo e amar-nos uns aos outros conforme o mandamento que ele nos deixou.
De fato, ainda que Deus ame a todos, o amor de Deus se torna eficaz apenas àqueles que creem no seu amor.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Eleição fraudulenta para bispo de São Paulo foi motivo de conflito interno na Igreja 

DOM SALOMÃO FERRAZ

A CRUZ DE PREGOS REVELADA: