Pular para o conteúdo principal

.

.

A CRUZ DE PREGOS REVELADA:

O peregrino Luiz Carlos Ferraz e o Reverendo Leandro


Trata-se de um símbolo cristão oriundo da catedral de St.-Michael, em Coventry, na Inglaterra, cidade que foi bombardeada pelos nazistas em 4 de novembro de 1940, provocando a destruição da catedral e a morte de 550 pessoas. Durante os trabalhos de remoção dos escombros, três grandes pregos de caibros da Idade Média foram resgatados pelo reitor da catedral e unidos em formato de cruz. Mais tarde uma cruz de madeira carbonizada foi afixada no coro da catedral com a frase "Father Forgive“ (Pai perdoa). A cruz carbonizada permaneceu na ruína da velha catedral e a cruz de pregos está preservada no altar da nova catedral erguida em 1962, como símbolo de reconciliação e paz. O reitor Bill Williams (1958 e 1981) lançou a ideia de criar centros de cruzes de pregos, na forma de comunidades ecumênicas que foram se espalhando ao redor do mundo. Na Alemanha há 52 dessas comunidades em 36 cidades, enquanto que no mundo há mais de 160 centros de cruzes de pregos.
Esses centros mantêm a ideia original da cruz de pregos e recebem uma cópia da cruz original, que peregrina por igrejas cristãs de diversas confissões, onde permanece por um ano, auxiliando na celebração litúrgica e na reflexão em torno da reconciliação e da paz.

FATHER FORGIVE


Reconciliation: Reflections on Coventry´s Role

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

o que esperar de uma igreja anglicana?

Pense nesta página como seu “Guia de Primeira Viagem a uma Igreja Anglicana”. Muito importante, lembre-se disso: você será bem-vindo(a). Nós damos a você as especiais boas vindas para que venha participar de nossos cultos e oferecemos este documento como uma breve introdução à Igreja Anglicana e seu jeito de ser. católica ou evangélica? No Anglicanismo, há aquelas igrejas que são chamadas de anglo-católicas, por se darem mais ênfase aos sacramentos e ao modo de pensar do cristianismo medieval inglês. Outras, chamadas evangélicas, dão mais valor aos princípios da reforma inglesa, no século XVI, como a pregação da palavra. A maioria das igrejas anglicanas fica no meio termo entre essas duas correntes. Este guia visa a mostrar o que pode-se encontrar em uma igreja anglicana genérica, independente da corrente litúrgica ou teológica que venha a seguir. o lugar de adoração Ao entrar, você vai perceber uma atmosfera de adoração e reverência. As Igrejas anglicanas são construídas em vários est…

Boletim Paroquial - 05 de junho de 2017

EDITORIAL - O Teólogo Christopher L. Webber escreveu que embora "a forma romana do Cristianismo houvesse se tornado uma influência dominante na Bretanha e em toda Europa ocidental, o Cristianismo Anglicano continuou a ter uma qualidade distintiva por causa da sua herança Celta". Nós da Igreja Anglicana de Santos herdamos traços da Igreja Celta pré-Niceno, uma Comunidade Sacramental. Praticamos a simplicidade da fé a qual permeia nossas vidas diárias, e reverenciamos a criação de Deus. Enfatizamos os Sacramentos como um lugar onde Deus e a humanidade se encontram. Cada um de nós é comissionado por Deus e uns pelos outros para que possamos crescer em fraternidade, adoração, oração, estudo das Escrituras, e outras práticas da Igreja dos primeiros tempos. Nós professamos uma fé Cristã  que transcende as divisões políticas e culturais. Nós damos as boas vindas para todas as pessoas. Todos são bem-vindos à Mesa do Senhor e a todos os seus sacramentos. Fruto de nossa tradição celta…

Mensagem de Natal do Arcebispo Justin Welby

22 de dezembro de 2016 Saudações em Nome de Jesus, a Palavra feita carne, o Emanuel, que veio para habitar entre nós, pela acção de Deus e pela obediência da sua Bem-aventurada Mãe, a portadora de Deus. Em Novembro, visitei o Paquistão para expressar a minha solidariedade com as comunidades Cristãs espalhadas por esse país, que tanto têm sofrido nos últimos anos. Recordamos o massacre de inocentes que cultuavam a Deus no Domingo de Páscoa em 2016 na cidade de Lahore, e antes disso, os ataques em Peshawar no Natal de 2013 e muitos outros incidentes. Esses ataques estavam pensados não apenas para infligir um forte sofrimento, mas também para semear o medo no coração dos Cristãos e de outras comunidades minoritárias. Durante a minha visita falei com alguns dos sobreviventes desses ataques, e senti-me muito comovido e humilde diante da sua extraordinária coragem ao continuarem a ser fieis em testemunhar a sua fé em Jesus. Diziam que agora sabiam mais do que nunca que Jesus é o Bom Pastor…