Pular para o conteúdo principal

.

.

São Thomas Cranmer e o Livro de Oração Comum da Igreja Anglicana

São Thomas Cranmer (1489-1556) é venerado pela Igreja
Anglicana como o copilador do Livro de Oração Comum e autor de algumas das mais belas orações na língua Inglesa; para o excelente trabalho contou ainda com a colaboração dos maiores especialistas de seu tempo como Martinho Lutero, Martinho Bucer, Felipe Melancthon, João Calvino, João Knox, João Hooper, Nicolas Ridley e Pedro Mártir Vermigli, entre outros.
Um "Livro de Oração Comum" é um manual de liturgia da Igreja Anglicana contendo as palavras e estrutura para a adoração e serviço a Deus. Ele contém Prefácios, Normas para o Culto da Igreja, Calendário do Ano Cristão, Oração Matutina e Vespertina, Santa Eucaristia, Ritos I e II, Orações Eucarísticas Alternativas, Intercessões I e II, Sentenças do Ofertório, Prefácios Próprios, Bênçãos Alternativas, Orientações Adicionais, Coletas do Ano Cristão, Santa Comunhão em Circunstâncias Especiais, Ofícios do Sacramento do Santo Batismo, Confirmação, Celebração e Bênção Matrimonial, Ofício de Sepultura, Seleção de Salmos, Salmos Litúrgicos, Lecionário dos Anos A, B, e C; Lecionário da Oração Matutina e Vespertina, Anos 1 e 2.
“Creio não haver no mundo, tanto nos idiomas antigos como nos modernos, uma liturgia impregnada de uma piedade mais sólida, bíblica e racional do que a do Livro de Oração Comum. E mesmo considerando que foi esta obra compilada há mais de duzentos anos, sua linguagem não só é pura, como também forte e elegante em essência”. Reverendo John Wesley
* 467 anos da 1ª edição do Livro de Oração Comum.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

o que esperar de uma igreja anglicana?

Pense nesta página como seu “Guia de Primeira Viagem a uma Igreja Anglicana”. Muito importante, lembre-se disso: você será bem-vindo(a). Nós damos a você as especiais boas vindas para que venha participar de nossos cultos e oferecemos este documento como uma breve introdução à Igreja Anglicana e seu jeito de ser. católica ou evangélica? No Anglicanismo, há aquelas igrejas que são chamadas de anglo-católicas, por se darem mais ênfase aos sacramentos e ao modo de pensar do cristianismo medieval inglês. Outras, chamadas evangélicas, dão mais valor aos princípios da reforma inglesa, no século XVI, como a pregação da palavra. A maioria das igrejas anglicanas fica no meio termo entre essas duas correntes. Este guia visa a mostrar o que pode-se encontrar em uma igreja anglicana genérica, independente da corrente litúrgica ou teológica que venha a seguir. o lugar de adoração Ao entrar, você vai perceber uma atmosfera de adoração e reverência. As Igrejas anglicanas são construídas em vários est…

Boletim Paroquial - 05 de junho de 2017

EDITORIAL - O Teólogo Christopher L. Webber escreveu que embora "a forma romana do Cristianismo houvesse se tornado uma influência dominante na Bretanha e em toda Europa ocidental, o Cristianismo Anglicano continuou a ter uma qualidade distintiva por causa da sua herança Celta". Nós da Igreja Anglicana de Santos herdamos traços da Igreja Celta pré-Niceno, uma Comunidade Sacramental. Praticamos a simplicidade da fé a qual permeia nossas vidas diárias, e reverenciamos a criação de Deus. Enfatizamos os Sacramentos como um lugar onde Deus e a humanidade se encontram. Cada um de nós é comissionado por Deus e uns pelos outros para que possamos crescer em fraternidade, adoração, oração, estudo das Escrituras, e outras práticas da Igreja dos primeiros tempos. Nós professamos uma fé Cristã  que transcende as divisões políticas e culturais. Nós damos as boas vindas para todas as pessoas. Todos são bem-vindos à Mesa do Senhor e a todos os seus sacramentos. Fruto de nossa tradição celta…

Mensagem de Natal do Arcebispo Justin Welby

22 de dezembro de 2016 Saudações em Nome de Jesus, a Palavra feita carne, o Emanuel, que veio para habitar entre nós, pela acção de Deus e pela obediência da sua Bem-aventurada Mãe, a portadora de Deus. Em Novembro, visitei o Paquistão para expressar a minha solidariedade com as comunidades Cristãs espalhadas por esse país, que tanto têm sofrido nos últimos anos. Recordamos o massacre de inocentes que cultuavam a Deus no Domingo de Páscoa em 2016 na cidade de Lahore, e antes disso, os ataques em Peshawar no Natal de 2013 e muitos outros incidentes. Esses ataques estavam pensados não apenas para infligir um forte sofrimento, mas também para semear o medo no coração dos Cristãos e de outras comunidades minoritárias. Durante a minha visita falei com alguns dos sobreviventes desses ataques, e senti-me muito comovido e humilde diante da sua extraordinária coragem ao continuarem a ser fieis em testemunhar a sua fé em Jesus. Diziam que agora sabiam mais do que nunca que Jesus é o Bom Pastor…