Pular para o conteúdo principal

Mensagem de Natal do Arcebispo Justin Welby



22 de dezembro de 2016
Saudações em Nome de Jesus, a Palavra feita carne, o Emanuel, que veio para habitar entre nós, pela acção de Deus e pela obediência da sua Bem-aventurada Mãe, a portadora de Deus.
Em Novembro, visitei o Paquistão para expressar a minha solidariedade com as comunidades Cristãs espalhadas por esse país, que tanto têm sofrido nos últimos anos. Recordamos o massacre de inocentes que cultuavam a Deus no Domingo de Páscoa em 2016 na cidade de Lahore, e antes disso, os ataques em Peshawar no Natal de 2013 e muitos outros incidentes. Esses ataques estavam pensados não apenas para infligir um forte sofrimento, mas também para semear o medo no coração dos Cristãos e de outras comunidades minoritárias. Durante a minha visita falei com alguns dos sobreviventes desses ataques, e senti-me muito comovido e humilde diante da sua extraordinária coragem ao continuarem a ser fieis em testemunhar a sua fé em Jesus. Diziam que agora sabiam mais do que nunca que Jesus é o Bom Pastor.
Em muitos lugares do nosso mundo perturbado e incerto, as comunidades Cristãs minoritárias juntamente com outras minorias de forma semelhante se têm tornado num alvo. Isto é motivado pelo desejo de erradicar completamente a presença dos Cristãos naturais desses lugares. Estes são actos não apenas de terror, mas de genocídio; são actos criminosos que devem motivar a comunidade internacional a trazer à justiça os seus responsáveis. No entanto sendo tão vulneráveis e com frequência esquecidos e marginalizados, os nossos irmãos e irmãs, estão a ser corajosos no Senhor. Realmente “Deus escolheu o que é fraco no mundo para envergonhar os fortes” (I Coríntios 1:27).
Noutros lugares o conflito e a corrupção tornaram-se tão normais que o mundo esqueceu o sofrimento dos pobres.
Peço as vossas orações por aqueles de nós que vivem em segurança, para que não nos tornemos em espectadores distantes, que batem com a mão no peito quando nos retiramos para a segurança das nossas casas, mas que nos possamos aproximar da cruz de Jesus, permanecendo ao lado dos nossos irmãos e irmãs que sofrem e para estarmos prontos a fazer a nossa parte com acções práticas de mudança. Oro para que Cristo fortaleça todo o seu povo no seu mais intimo com o poder de Espírito Santo para ser fiel, para ter coragem e para viver na esperança.
Mais do que nunca necessitamos de comunidades parecidas com Cristo, que proclamam as Boas-Novas do Evangelho na Palavra e na Acção. Em muitos países não há perseguições, nas há apatia e complacência que nos leva a ser, segundo as palavras notáveis do Papa Francisco, ateus praticantes.
Uma comunidade parecida com Cristo, mede-se pela forma como atrai para o centro da sua vida os vulneráveis e os marginalizados. Na reunião dos Primazes da Comunhão Anglicana em Janeiro deste ano, Jean Vanier, o fundador da obra L´Arche, ajudou-os a compreenderem o que isto significa. Noutro lugar ele afirmou: “Viver com Jesus é viver com os pobres, e viver com os pobres e viver com Jesus” (Community and Growth,1989).
Mais do que nunca, temos um forte sentido da unidade dos Cristãos. Deus ouve a oração do Senhor Jesus Cristo: “Que eles possam ser um, para que o mundo creia que Tu me enviaste” (João 17:21), e Ele continua a cumprir a sua oração. Enquanto hoje estamos profundamente conscientes do ecumenismo do sangue, também vivemos no ecumenismo da esperança, e somos chamados a um ecumenismo da acção. Viver com os vulneráveis e os marginalizados, com Jesus Cristo no centro das nossas comunidades e no coração das nossas relações ecuménicas, para agir juntos com amor e em amor, amor que é um fruto do Espirito Santo, é também viver como semeadores da esperança. Jesus disse: “Eu sou a luz do mundo. Quem me seguir deixa de andar na escuridão e terá a luz da vida” (João 8:12). S. João Evangelista, com palavras que serão escutadas em muitas das nossas Igrejas durante este Natal que ser aproxima, também nos fortalece com esta mensagem: “ A luz brilha nas trevas, trevas que a não venceram.” (João 1:5).
Na nossa celebração comum da luz de Jesus que veio ao mundo, que possamos já hoje encorajar e construirmo-nos uns aos outros, e que em todos os lugares a Igreja possa, unida com o sofrimento e na esperança, brilhar com a sua luz e agir com o seu poder.
Justin Welby, Arcebispo de Cantuária

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

o que esperar de uma igreja anglicana?

Pense nesta página como seu “Guia de Primeira Viagem a uma Igreja Anglicana”. Muito importante, lembre-se disso: você será bem-vindo(a). Nós damos a você as especiais boas vindas para que venha participar de nossos cultos e oferecemos este documento como uma breve introdução à Igreja Anglicana e seu jeito de ser. católica ou evangélica? No Anglicanismo, há aquelas igrejas que são chamadas de anglo-católicas, por se darem mais ênfase aos sacramentos e ao modo de pensar do cristianismo medieval inglês. Outras, chamadas evangélicas, dão mais valor aos princípios da reforma inglesa, no século XVI, como a pregação da palavra. A maioria das igrejas anglicanas fica no meio termo entre essas duas correntes. Este guia visa a mostrar o que pode-se encontrar em uma igreja anglicana genérica, independente da corrente litúrgica ou teológica que venha a seguir. o lugar de adoração Ao entrar, você vai perceber uma atmosfera de adoração e reverência. As Igrejas anglicanas são construídas em vários est…

Casamento do Pelé e Márcia

Sábado 9 de julho é especial para o Rei Pelé. O “Rei do Futebol” vai se casar com a empresária Marcia Cibele Aoki, em celebração ministrada pelo Reverendo Leandro Campos, da Igreja Anglicana de Santos, que será reservada e restrita aos familiares. Aos 75 anos, Pelé sobe no altar pela terceira vez e disse que finalmente encontrou o seu “amor definitivo”. O casal está junto desde 2010. Pelé e Marcia se conheceram na década de 1980, durante uma festa em Nova York, nos Estados Unidos. Eles começaram a namorar somente em 2010, após reencontro inusitado dentro de um elevador do prédio onde moravam na Alameda Jaú, em São Paulo. Em 2012, Pelé apresentou Marcia como sua “namorada oficial” no Golden Foot, que aconteceu em Mônaco. Desde então, ele a leva a todas festas e eventos para os quais é convidado, assim como em seus compromissos pelo mundo.