Pular para o conteúdo principal

Mensagem da Quarta-feira de Cinzas



Escrito por D. Laurence
Hoje, muitos de nós receberemos as cinzas – os restos incinerados dos ramos do ano passado – que serão [colocadas em nossas cabeças ou] aplicadas em nossa testa, da mesma forma que muitas pessoas dos tempos bíblicos “cobriam suas cabeças com cinzas” em tempos de luto ou de crise.
Para as crianças pode ser uma experiência do sagrado interessante, a descoberta de um simbolismo novo e o enriquecimento do vocabulário de sua vida espiritual. Para os cristãos mais adultos, trata-se de um ritual familiar que leva de volta para casa, um pouco mais consciente a cada ano, a memória da mortalidade: “Lembra-te de que és pó e para o pó hás de voltar” (Gn 3,19). Para a maioria das pessoas em nosso tempo secularizado, trata-se somente de somente mais um resíduo incompreensível de um mundo religioso arcaico.
De um modo ou de outro, gostamos de marcar períodos e tempos especiais – são, claro, feitos pelo homem. A Quaresma somente começou a ser observada no Século IV. Ainda que nosso ano não seja mais do que uma plataforma composta de dias de semana, fins de semana, viagens de negócio e férias, a sua bidimensionalidade logo nos torna desejosos por “algo mais” que corresponde ao nosso complexo senso religioso. Muitos de nós podemos nos virar sem religião, mas não podemos escapar dessa nostalgia. Uma vez sentida, busca por expressão.
Então apreciemos as cinzas. Lembro-me quando criança costumávamos nos sentir orgulhosos e especiais ao conservar nossas cinzas de maneira clara e ostensiva na rua ou no metrô. Procurávamos a nossa volta por outros com a mesma marca, sentindo-nos como membros de um clube secreto ou ao menos exclusivo. Ouvimos as palavras de Jesus durante a celebração sobre o jejum (tomar alimento somente uma vez ao dia também faz parte das recomendações para a Quarta-feira de Cinzas): “quando jejuardes, ungi a cabeça e lava o rosto para que o teu jejum não seja percebido pelos outros, mas somente por teu Pai que está no segredo” (Mt 6,16). Como crianças, porém, aprender a religião pela prática, podemos nos sentir bem ao expor nosso ascetismo. Sentíamo-nos diferentes e talvez um pouco melhores.
A Quaresma é uma oportunidade cujo significado temos que reconhecer antes de ser provada como útil para nós. Obviamente não significa chamar atenção para nós mesmos. Não significa auto infligir-se de dor ou sofrimento tanto quanto a formação e treino de um atleta pode machucar. A Quaresma é sobre melhorar a forma e a agilidade da nossa vida espiritual, cuja meta é alcançada por medidas de moderação cuidadosa, autodomínio e, com um pouco de criatividade, por esforçar-se mais e mais rumo à esfera da consciência.
Caso ainda não tenha decidido o que “fazer” durante a Quaresma, talvez possa considerar uma prática com triplo desdobramento: 1) Abster-se ou reduzir alguma forma de consumo, seja comida, bebida ou vício digital; 2) Melhorar ou incrementar sua prática de meditação durante a manhã ou à noite ou acrescentar uma outra no meio do dia; 3) Comprometer-se a um melhor ritmo de vida e substituir uma distração desnecessária (muitos de nós conservamos muitas) por uma atividade mais criativa estimulante, seja física, uma leitura ou música.
O “mistério” que Jesus recomenda desafia nossa cultura de auto revelação (exposta pelo nosso culto à privacidade e às senhas). Não se refere à segredo, de fato, mas à interioridade e respeitando o fato de que a maioria dos frutos de nossa Quaresma serão sentidos de dentro. Que seja bom e que seja interessante.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

DOM SALOMÃO FERRAZ

Um dos mais icônicos religiosos da história do Brasil, também passou pela Paróquia de Todos os Santos - Igreja Anglicana, como atestam os registros de serviços paroquiais no ano de 1932. Sua Excelência Reverendíssima Dom Salomão Barbosa Ferraz, nasceu em 18 de Fevereiro de 1880, em Jau - Brasil, tendo sido pastor presbiteriano e anglicano. Mais tarde fundou a Igreja Católica Livre do Brasil, hoje denominada de Igreja Católica Apostólica Independente. Dom Salomão recebeu a Sagrada Ordenação Presbiteral em 18 de Julho de 1945. Mais tarde, em 15 de Agosto de 1945, recebeu das mãos de Sua Excelência Reverendíssima Dom Carlos Duarte, a Sagrada Ordenação Episcopal.
Durante o Concílio Vaticano II, e ainda no Pontificado de João XXIII, Dom Salomão Ferraz pede incardinação na Igreja Católica Romana, sendo aceito sem nenhum tipo de re-consagração como Bispo Titular de Eleutherna, em 10 de Maio de 1963, fazendo parte nos trabalhos Conciliares. Veio a falecer em 11 de Maio de 1969, como Bispo Catól…

Preparação para Crisma (Confirmação do Batismo)

O Espírito Santo é força que impulsiona a vida da Igreja.

O Sacramento da Crisma é um encontro especial com Jesus, todo cristão precisa de um dom especial do Espírito para que a semente da vida nova, plantada no Batismo, não morra, mas, pelo contrário, se desenvolva, cresça e dê muito fruto, fruto em abundância.


Na certeza do Espírito Santo que age em nós, queremos unir família e igreja na formação cristã dos nossos fiéis e colaboradores.
Compromisso
• A preparação para o Sacramento da Crisma exige dos crismandos a abertura necessária para viver cada encontro com o desejo de conhecer Jesus Cristo, sua palavra e a doutrina da nossa fé. • Participação nos eventos religiosos da Igreja (Missa da Páscoa, Missa de Pentecostes, Missa de Natal, Aniversário da Igreja, Ação de Graças e outros) • Participação dos crismandos na Missa aos domingos
Sentimo-nos honrados em preparar todos os interessados para este sacramento. Entretanto, aqueles que escolherem participar da Crisma, devem assumir os pon…

Os dez mandamentos

1º “Não terás outros deuses diante de mim.” 2º “Não farás para ti imagem esculpida, nem figura alguma do que há em cima no céu, nem em baixo na terra, nem nas águas debaixo da terra. Não te encurvarás diante delas, nem as servirás; porque eu, o Senhor teu Deus, sou Deus zeloso, que visito a iniquidade dos pais nos filhos até a terceira e quarta geração daqueles que me odeiam e uso de misericórdia com milhares dos que me amam e guardam os meus mandamentos.” 3º “Não tomarás o nome do Senhor teu Deus em vão; porque o Senhor não terá por inocente aquele que tomar o seu nome em vão.” 4º “Lembra-te do dia do sábado, para o santificar. Seis dias trabalharás, e farás todo o teu trabalho; “mas o sétimo dia é o sábado do Senhor teu Deus. Nesse dia não farás trabalho algum, nem tu, nem teu filho, nem tua filha, nem o teu servo, nem a tua serva, nem o teu animal, nem o estrangeiro que está dentro das tuas portas. Porque em seis dias fez o Senhor o céu e a terra, o mar e tudo o que neles há, e ao…