Pular para o conteúdo principal

Afirmação de Saint Louis (United States of America)


Emitida pela Sociedade dos Clérigos Zelosos – 17 de setembro de 1977.
DA CONTINUAÇÃO DO ANGLICANISMO. 
Nós afirmamos que a Igreja de nossos pais, sustentada pela Trindade Santa, ainda vive, e que nós, temos sido movidos pelo Santo Espírito a caminhar unicamente neste caminho, estamos determinados a continuar na Fé Católica, na Ordem Apostólica, na Adoração Ortodoxa e no Testemunho Evangélico da tradicional Igreja Anglicana, fazendo todas as coisas necessárias para a continuação da mesma. Nós estamos decididos e esforçando-nos nesta decisão pelo conhecimento de que muitas províncias e dioceses da Comunhão Anglicana têm continuado leais na mesma Fé, Ordem, Adoração e Testemunho, e que elas continuam a conferir ordenação ao sacerdócio e ao episcopado aos varões. Nós nos regozijamos por estes fatos e afirmamos nossa solidariedade a estas províncias e dioceses.
DA DISSOLUÇÃO DA ESTRUTURA DA IGREJA ANGLICANA:
Nós afirmamos que a Igreja Anglicana do Canadá e a Igreja Episcopal Protestante nos Estados Unidos da América, com sua tentativa ilegal de modificar a Fé, Ordem e Moralidade (especialmente em seu Sínodo Geral de 1975 e Convenção Geral de 1976) têm se afastado da Igreja de Cristo Una, Santa Católica e Apostólica.
DA NECESSIDADE DE CONTINUAR A ORDEM NA IGREJA:
Nós afirmamos que todos os governos eclesiásticos anteriores, tendo sido fundamentalmente enfraquecidos pelos atos cismáticos dos Concílios ilegais, são inteiramente sem efeito sobre nós, e que nós devemos agora reordenar a disciplina ortodoxa assim como nos esforçaremos na continuação de nossa vida e comum e testemunho.
DA INVALIDEZ DA AUTORIDADE CISMÁTICA:
Nós afirmamos que a alegação de qualquer uma destas pessoas ou corpos cismáticos de agirem contra qualquer membro da Igreja, clérigo ou leigo, pelo seu testemunho à Fé integral não tem autoridade na verdadeira Igreja de Cristo, e que qualquer proibição, deposição ou disciplina será sem efeito e é absolutamente nula e ilegal.
DA NECESSIDADE DE PRINCÍPIOS E DE UMA CONSTITUIÇÃO:
Nós afirmamos que princípios fundamentais (doutrinário, moral e constitucional) são necessários neste momento, e que a Constituição (reparando os defeitos e abusos de nossos governantes anteriores) deverão ser adotados, através dos quais a Igreja possa ser convenientemente continuada.
DA CONTINUIDADE DA COMUNHÃO COM CANTERBURY:
Nós afirmamos que persistimos na relação de comunhão com a Sé de Canterbury e com todas as porções fiéis da Comunhão Anglicana Mundial.
POR CONSEGUINTE, com a firme confiança na Divina Providência, e diante de Deus Onipotente e de toda a hoste celestial, nós afirmamos, comprometemo-nos e declaramos que nós, legais e leais membros das Igrejas Episcopais, hoje e no futuro continuaremos e seremos a Igreja Anglicana unificada e continuante na América do Norte, segundo a verdadeira e válida Sucessão Apostólica.
PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS:
A fim de cumprir com tais declarações, nós apresentamos estes Princípios Fundamentais para nossa vida e testemunho.
PREFÁCIO:
Na firme convicção de que “nós podemos ser salvos pela graça do Senhor Jesus Cristo”, e que “não há outro nome abaixo dos céus dado entre os homens pelo qual nós podemos ser salvos”, e reconhecendo nossa obrigação de proclamar a Verdade salvadora de Cristo para todas as pessoas, nações e em todas as línguas, nós declaramos nossa intenção de sustentar a Una, Santa, Católica e Apostólica Fé em Deus. Nós admitimos a regra de fé baixada por São Vicente de Lerins: “Acreditamos que aquelas coisas no que tem sido crido em toda parte, sempre e por todos, isto é verdadeiro e propriamente Católico…”
I.PRINCÍPIOS DA DOUTRINA
1. DA NATUREZA DA IGREJA.
Nós reunimos as pessoas chamadas por Deus para serem dedicadas e obedientes a Ele. Como o Povo de Deus do Sacerdócio Real, a Igreja é chamada para ser, de fato, a manifestação de Cristo no e para o mundo. A verdadeira religião é revelada ao homem por Deus. Nós não podemos decidir sobre o que é a verdade, mas particularmente (em obediência) devemos receber, aceitar, amar, defender e ensinar aquilo que Deus nos tem dado. A Igreja foi criada por Deus, e é, além do mais, a razão fundamental do controle do homem. A Igreja é o Corpo de Cristo operando no mundo. Ela é a sociedade dos batizados convocados do mundo; Nele, mas não dele. Como a Noiva Fiel de Cristo, ela é diferente do mundo e não deve ser influenciada por ele.
2. O ESSENCIAL DA VERDADE E DA ORDEM.
Nós repudiamos todo e qualquer desvio ou afastamento da Fé, total ou parcialmente, e testemunhamos estes princípios essenciais da Verdade Evangélica e Ordem Apostólica:
SAGRADAS ESCRITURAS. As Sagradas Escrituras do Antigo e do Novo Testamentos como o autêntico registro da revelação de Deus, Sua atividade salvífica e exigências morais – a revelação válida para todos os homens e em todo o tempo.
OS CREDOS. O Credo Niceno como um sumário autorizado dos principais artigos da Fé Cristã, junto com o Credo dos Apóstolos, e com aquele conhecido como o Credo de Santo Atanásio são “perfeitamente recebidos e acreditados” no sentido de que eles sempre pertenceram à Igreja Católica.
TRADIÇÃO. A Tradição recebida da Igreja e seus ensinamentos assim como expostos pelos “bispos e doutores católicos antigos”, e especialmente como definida pelos Sete Concílios Ecumênicos da Igreja indivisa, para a exclusão de todos os erros, antigos e modernos.
SACRAMENTOS: Os Sacramentos do Batismo, Confirmação, Santa Eucaristia, Santo Matrimônio, Ordens Sagradas, Penitência e Unção dos Enfermos, como sinais efetivos e objetivos da contínua presença e atividade salvadora de Cristo nosso Senhor no meio de Seu Povo e como Seu modo prometido para distribuir Sua graça. Em particular, nós afirmamos a necessidade do Batismo e da Santa Eucaristia (onde estes possam ser realizados) – o Batismo como a incorporação ao Corpo de Cristo (com sua complementação com a Confirmação como um “selo do Espírito Santo”), e a Eucaristia como o sacrifício que nos une ao completo Sacrifício de Cristo na Cruz e o Sacramento no qual Ele nos alimenta com Seu Corpo e Sangue.
ORDENS SAGRADAS: As Ordens Sagradas de bispos, sacerdotes e diáconos como a perpetuação dos dons de Cristo do ministério apostólico para Sua Igreja, afirmando a necessidade de um bispo de sucessão apostólica (ou um sacerdote ordenado por este) como o celebrante da Eucaristia – estas Ordens constituídas exclusivamente de homens de acordo com a vontade de Cristo e instituição (como evidenciado pelas Escrituras), e a prática universal da Igreja Católica.
DIACONISAS. O antigo ofício e ministério de Diaconisas como uma vocação leiga para mulheres, afirmando a necessidade pelo adequado encorajamento de tal ministério.
RESPONSABILIDADE DOS BISPOS. Os Bispos enquanto Apóstolos, Profetas, Evangelistas, Pastores e Mestres, tem como responsabilidades (juntos com os outros clérigos e o laicato) guardar e defender a pureza e a integridade da Fé e da Moral Ensinada pela Igreja.
O USO DE OUTRA FÓRMULA. Ao afirmar estes princípios, nós reconhecemos que todo enunciado de fé Anglicano e todas as fórmulas litúrgicas devem ser interpretados de acordo com eles.
INCOMPETÊNCIA DAS IGREJAS DE MUDAREM A VERDADE. Nós recusamos qualquer direito ou competência para suprimir, alterar ou emendar qualquer um dos Credos Ecumênicos Antigos e as definições de Fé, desprezar ou afastar-se das Santas Escrituras, ou alterar ou desviar dos pré-requisitos essenciais de qualquer dos Sacramentos.
UNIDADE COM OUTROS CRENTES. Nós declaramos nossa firme intenção de perseguir e alcançar comunhão sacramental plena e visível com outros cristãos que “cultuem a Trindade na Unidade e a Unidade na Trindade” e os que guardam a Fé Católica e Apostólica de acordo com os princípios precedentes.

II. PRINCÍPIOS DE MORALIDADE.
A consciência, como o conhecimento inerente do certo e do errado, não pode suportar sozinha o arbítrio soberano da moral. Todo cristão é obrigado a formar sua consciência pela Lei Moral Divina e pela Mente de Cristo como revelado nas Sagradas Escrituras, e pelo ensino e Tradição da Igreja. Nós acreditamos que quando a consciência do Cristão é assim desta forma adequadamente informada e conduzida, pode-se afirmar os seguintes princípios morais:
RESPONSABILIDADE INDIVIDUAL: Toda a pessoa, individual e coletivamente, são responsáveis diante de seu Criador por seus atos, motivos, pensamento e palavras, visto que “nós devemos nos apresentar ante o trono de julgamento de Cristo…”.
SANTIDADE DA VIDA HUMANA. Cada ser humano, desde o momento de sua concepção, é uma criatura* de Deus, feita à Sua imagem e semelhança, uma alma infinitamente preciosa; e que a injustificável ou inescusável ceifa da vida é sempre pecado.
RESPONSABILIDADES DOS HOMENS PARA COM DEUS. Todas as pessoas são obrigadas pelos ditames da lei Natural e pela vontade revelada de Deus, na medida em que as possam compreender.
VIDA FAMILIAR. A obrigação sacramental do matrimônio entre um homem e uma mulher é uma provisão do amor de Deus para a procriação e vida familiar, e a atividade sexual deve ser praticada somente dentro dos laços do Santo Matrimônio.
O HOMEM ENQUANTO PECADOR. Nós reconhecemos que o homem, enquanto herdeiro do pecado original, está “muito longe da retidão original” e como um rebelado contra a autoridade de Deus é responsável pelo Seu justo julgamento.
O HOMEM E A GRAÇA DE DEUS. Nós reconhecemos, também, que Deus ama Seus filhos e particularmente tem mostrado isto no trabalho redentor de nosso Senhor Jesus Cristo, e que o homem não pode ser salvo por qualquer esforço próprio, mas pela Graça de Deus, através do arrependimento e aceitação das misericórdias de Deus.
RESPONSABILIDADES DOS CRISTÃOS QUANTO À ÉTICA. Nós acreditamos, então, é responsabilidade da Igreja e seus membros testemunhar a Moralidade Cristã, segui-la em suas vidas e rejeitar o falso padrão de moral do mundo.
III. PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS.Nas revisões constitucionais pelas quais possam se responsabilizar, nós recomendamos, para consideração dos Anglicanos continuantes, o seguinte:
RETER O MELHOR DE AMBAS AS PROVÍNCIAS. Que as características tradicionais e testadas do sistema eclesiástico canadense e americano sejam preservadas e usadas na administração da Igreja.
NECESSIDADE DE TREINAMENTO TEOLÓGICO SADIO. Re-estabelecimento da educação teológica espiritual, ortodoxa e acadêmica sob supervisão episcopal é imperativo, e deve ser encorajada e promovida por todas as autoridades; e bispos eruditos e ortodoxos, outros clérigos e pessoas leigas devem responsabilizar-se e comprometer-se com esta tarefa sem demora.
FINANÇAS. O direito das congregações de administrarem seus bens materiais devem ser firme e constitucionalmente reconhecido e protegido.
ADMINISTRAÇÃO A Administração deve, nós acreditamos, ser limitada aos atos mais simples e necessários, de forma que a ênfase possa ser centrada na adoração, cuidado pastoral, saúde espiritual e moral, boas ações pessoais e atendimento missionário, em resposta ao amor de Deus por nós.
A IGREJA ENQUANTO TESTEMUNHA DA VERDADE. Nós reconhecemos também que, como guardiões da vontade de Deus e verdade para os homens, nós podemos e devemos testemunhar para que a vontade e a verdade concorram contra todo o mal, lembrando que nós somos os servos no mundo, mas somos servos de Deus primeiramente.
PENSÕES E SEGUROS. Nós reconhecemos nossa imediata responsabilidade em providenciar o estabelecimento de legítima pensão e programa de seguridade para a proteção do clérigo bolsista e outros trabalhadores da Igreja.
DEFESA LEGAL Nós reconhecemos a imediata necessidade de coordenar recursos legais, financeiros e profissionais, para a defesa de congregações em perigo por sustentar a Fé, e recomendamos atenção para esta necessidade o mais seriamente possível ao bispo diocesano e autoridades paroquiais.
CONTINUAÇÃO, NÃO INOVAÇÃO Nesta reunião de testemunhas de Anglicanos e Episcopais, nós continuamos ser aquilo que somos. Nós não faremos nada novo. Nós não formamos um novo corpo, mas continuamos como Anglicanos e Episcopais.

AGORA, ENTÃO, completamente conscientes de nossas responsabilidades para com todos aqueles que amam e acreditam na Fé de nossos pais, de nossa obrigação para com Deus, que sozinho julgará aquilo que fizermos, nós fazemos esta Afirmação. Diante de Deus, nós invocamos nossa herança Anglicana, e proclamamos o mesmo a toda Igreja, mediante Jesus Cristo nosso Senhor, a Quem, com o Pai e com o Espírito Santo, sejam todas as honras e glória, para todo o sempre. AMÉM.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

o que esperar de uma igreja anglicana?

Pense nesta página como seu “Guia de Primeira Viagem a uma Igreja Anglicana”. Muito importante, lembre-se disso: você será bem-vindo(a). Nós damos a você as especiais boas vindas para que venha participar de nossos cultos e oferecemos este documento como uma breve introdução à Igreja Anglicana e seu jeito de ser. católica ou evangélica? No Anglicanismo, há aquelas igrejas que são chamadas de anglo-católicas, por se darem mais ênfase aos sacramentos e ao modo de pensar do cristianismo medieval inglês. Outras, chamadas evangélicas, dão mais valor aos princípios da reforma inglesa, no século XVI, como a pregação da palavra. A maioria das igrejas anglicanas fica no meio termo entre essas duas correntes. Este guia visa a mostrar o que pode-se encontrar em uma igreja anglicana genérica, independente da corrente litúrgica ou teológica que venha a seguir. o lugar de adoração Ao entrar, você vai perceber uma atmosfera de adoração e reverência. As Igrejas anglicanas são construídas em vários est…

Mensagem de Natal do Arcebispo Justin Welby

22 de dezembro de 2016 Saudações em Nome de Jesus, a Palavra feita carne, o Emanuel, que veio para habitar entre nós, pela acção de Deus e pela obediência da sua Bem-aventurada Mãe, a portadora de Deus. Em Novembro, visitei o Paquistão para expressar a minha solidariedade com as comunidades Cristãs espalhadas por esse país, que tanto têm sofrido nos últimos anos. Recordamos o massacre de inocentes que cultuavam a Deus no Domingo de Páscoa em 2016 na cidade de Lahore, e antes disso, os ataques em Peshawar no Natal de 2013 e muitos outros incidentes. Esses ataques estavam pensados não apenas para infligir um forte sofrimento, mas também para semear o medo no coração dos Cristãos e de outras comunidades minoritárias. Durante a minha visita falei com alguns dos sobreviventes desses ataques, e senti-me muito comovido e humilde diante da sua extraordinária coragem ao continuarem a ser fieis em testemunhar a sua fé em Jesus. Diziam que agora sabiam mais do que nunca que Jesus é o Bom Pastor…

Casamento do Pelé e Márcia

Sábado 9 de julho é especial para o Rei Pelé. O “Rei do Futebol” vai se casar com a empresária Marcia Cibele Aoki, em celebração ministrada pelo Reverendo Leandro Campos, da Igreja Anglicana de Santos, que será reservada e restrita aos familiares. Aos 75 anos, Pelé sobe no altar pela terceira vez e disse que finalmente encontrou o seu “amor definitivo”. O casal está junto desde 2010. Pelé e Marcia se conheceram na década de 1980, durante uma festa em Nova York, nos Estados Unidos. Eles começaram a namorar somente em 2010, após reencontro inusitado dentro de um elevador do prédio onde moravam na Alameda Jaú, em São Paulo. Em 2012, Pelé apresentou Marcia como sua “namorada oficial” no Golden Foot, que aconteceu em Mônaco. Desde então, ele a leva a todas festas e eventos para os quais é convidado, assim como em seus compromissos pelo mundo.