Pular para o conteúdo principal

A Declaração de Jerusalém

Introdução

Preocupados em estabelecer fundamentos sobre os quais a igreja deve buscar a expansão do cristianismo, representantes anglicanos de todo o mundo firmaram princípios de ortodoxia na Declaração de Jerusalém. O documento busca apaziguar dissensões e estabelecer bases que permitam planejar a atuação cristã dentro da cultura global do século XXI. O reconhecimento do relacionamento homem e mulher como “o padrão imutável do casamento cristão”, a necessidade de cuidar da criação e a promoção da justiça social são algumas afirmações da Declaração. O texto foi elaborado pelos participantes da 1ª Conferência sobre o Futuro Global do Anglicanismo (GAFCon), nos dias 22 a 29 de junho, em Jerusalém.
Um dos focos da Conferência foi discutir a herança anglicana, suas bases e perspectivas para a missão de fazer discípulos em todas as nações. Os líderes que estiveram em Jerusalém decidiram ir além do evento e lançaram a GAFCon como uma fraternidade, que busca ampliar o movimento, especialmente para as igrejas do hemisfério Sul. Uma das preocupações da liderança é responder aos desafios para o evangelho na cultura da sociedade atual. A Conferência de Jerusalém também discutiu questões internas, como a secularização da igreja, especialmente nos países mais desenvolvidos economicamente. A Declaração foi elaborada com a perspectiva de que é necessário que os cristãos unam forças para chegar aos povos não-alcançados e para restaurar o “cristianismo autêntico”.

Texto da Declaração de Jerusalém

“Em nome de Deus Pai, Deus Filho e Deus Espírito Santo:
“Nós, os participantes na Conferência sobre o Futuro Global do Anglicanismo, nos reunimos na terra do nascimento de Jesus. Expressamos nossa lealdade como discípulos do Rei dos reis, o Senhor Jesus. Prazerosamente, abraçamos a sua ordem de proclamar a realidade do seu Reino, que foi primeiramente anunciado nessa terra. O Evangelho do reino é a boa nova de salvação, libertação e transformação para todos. À luz do que acima afirmamos, concordamos em elaborar conjuntamente um caminho para o futuro, que promova e proteja o Evangelho bíblico e a missão para o mundo, solenemente declarando os seguintes princípios de ortodoxia que fundamentam a nossa identidade anglicana:
1. Regozijamo-nos no Evangelho de Deus através do qual temos sido salvos pela graça mediante a fé em Jesus Cristo, pelo poder do Espírito Santo. Porque Deus nos amou primeiro, nós amamos, e, como crentes, evidenciamos frutos do amor, arrependimento, viva esperança e gratidão a Deus em todas as coisas;
2. Cremos que as Sagradas Escrituras do Antigo e do Novo Testamento são a Palavra de Deus escrita, e contém todas as coisas necessárias para a salvação. A Bíblia é para ser traduzida, lida, pregada, ensinada e obedecida em seu sentido pleno e canônico, levando em conta a leitura histórica e consensual da Igreja;
3. Afirmamos os quatro Concílios Ecumênicos e os três Credos Históricos, como expressando a regra de fé da Igreja Una, Santa, Católica e Apostólica;
4. Afirmamos os Trinta e Nove Artigos de Religião como contendo a verdadeira doutrina da Igreja, de acordo com a Palavra de Deus, e como autoritativa para os anglicanos hoje;
5. Prazerosamente, proclamamos e nos submetemos ao senhorio único e universal do Senhor Jesus Cristo, o Filho de Deus, o único Salvador da humanidade do pecado, do juízo e do inferno, que viveu a vida que nós não podemos viver, e que morreu a morte que nós merecíamos. Por sua morte redentora e gloriosa ressurreição, Ele assegurou a redenção a todos que a Ele se chegam em arrependimento e fé;
6. Regozijamo-nos em nossa herança sacramental e litúrgica como uma expressão do Evangelho, e afirmamos o Livro de Oração Comum de 1662 como um padrão verdadeiro e autoritativo de adoração e oração, a ser traduzido e localmente adaptado para cada cultura;
7. Reconhecemos que Deus tem chamado e outorgado dons aos Bispos, Presbíteros e Diáconos em sucessão histórica, para equipar todo o povo de Deus para o seu ministério no mundo. Afirmamos o clássico Ordinal Anglicano como um padrão autoritarivo para as Ordens clericais;
8. Reconhecemos a criação por Deus da humanidade como macho e fêmea, e o padrão imutável do casamento cristão entre homem e mulher como o lugar apropriado para a intimidade sexual e a base da família. Arrependemo-nos por nossas falhas em manter esse padrão, e conclamamos uma renovação do compromisso de fidelidade duradoura no casamento e de abstinência para os em celibato;
9. Alegremente aceitamos a Grande Comissão do Senhor ressuscitado de fazer discípulos de todas as nações, de buscar aqueles que não conhecem a Cristo, e batizar, ensinar e conduzir os novos crentes à maturidade;
10. Estamos conscientes de nossa responsabilidade de sermos bons mordomos da criação de Deus, de sustentar e advogar justiça na sociedade, e de buscar alívio e empoderamento para os pobres e necessitados;
11. Comprometemo-nos com a unidade de todos aqueles que conhecem e amam a Cristo, e a construirmos autênticos relacionamentos ecumênicos. Reconhecemos as Ordens e Jurisdições daqueles anglicanos que sustentam a fé e a prática ortodoxas, e os encorajamos a se unir a nós nessa Declaração;
12. Celebramos a diversidade dada por Deus entre nós, a qual enriquece a nossa fraternidade global e reconhecemos a liberdade em assuntos secundários. Comprometemo-nos em trabalhar juntos para buscar a mente de Cristo sobre temas que nos dividem;
13. Rejeitamos a autoridade daquelas igrejas e líderes que têm negado a fé ortodoxa por palavras e atos. Oramos por eles, e os chamamos ao arrependimento e ao retorno ao Senhor;
14. Regozijam-nos com a perspectiva do retorno de Jesus em glória, e enquanto esperamos esse evento final da História, nós o louvamos pela maneira como Ele edificou a Igreja através do Espírito Santo, pela mudança miraculosa de vidas.”
FONTEGAFCON

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

o que esperar de uma igreja anglicana?

Pense nesta página como seu “Guia de Primeira Viagem a uma Igreja Anglicana”. Muito importante, lembre-se disso: você será bem-vindo(a). Nós damos a você as especiais boas vindas para que venha participar de nossos cultos e oferecemos este documento como uma breve introdução à Igreja Anglicana e seu jeito de ser. católica ou evangélica? No Anglicanismo, há aquelas igrejas que são chamadas de anglo-católicas, por se darem mais ênfase aos sacramentos e ao modo de pensar do cristianismo medieval inglês. Outras, chamadas evangélicas, dão mais valor aos princípios da reforma inglesa, no século XVI, como a pregação da palavra. A maioria das igrejas anglicanas fica no meio termo entre essas duas correntes. Este guia visa a mostrar o que pode-se encontrar em uma igreja anglicana genérica, independente da corrente litúrgica ou teológica que venha a seguir. o lugar de adoração Ao entrar, você vai perceber uma atmosfera de adoração e reverência. As Igrejas anglicanas são construídas em vários est…

Mensagem de Natal do Arcebispo Justin Welby

22 de dezembro de 2016 Saudações em Nome de Jesus, a Palavra feita carne, o Emanuel, que veio para habitar entre nós, pela acção de Deus e pela obediência da sua Bem-aventurada Mãe, a portadora de Deus. Em Novembro, visitei o Paquistão para expressar a minha solidariedade com as comunidades Cristãs espalhadas por esse país, que tanto têm sofrido nos últimos anos. Recordamos o massacre de inocentes que cultuavam a Deus no Domingo de Páscoa em 2016 na cidade de Lahore, e antes disso, os ataques em Peshawar no Natal de 2013 e muitos outros incidentes. Esses ataques estavam pensados não apenas para infligir um forte sofrimento, mas também para semear o medo no coração dos Cristãos e de outras comunidades minoritárias. Durante a minha visita falei com alguns dos sobreviventes desses ataques, e senti-me muito comovido e humilde diante da sua extraordinária coragem ao continuarem a ser fieis em testemunhar a sua fé em Jesus. Diziam que agora sabiam mais do que nunca que Jesus é o Bom Pastor…

Casamento do Pelé e Márcia

Sábado 9 de julho é especial para o Rei Pelé. O “Rei do Futebol” vai se casar com a empresária Marcia Cibele Aoki, em celebração ministrada pelo Reverendo Leandro Campos, da Igreja Anglicana de Santos, que será reservada e restrita aos familiares. Aos 75 anos, Pelé sobe no altar pela terceira vez e disse que finalmente encontrou o seu “amor definitivo”. O casal está junto desde 2010. Pelé e Marcia se conheceram na década de 1980, durante uma festa em Nova York, nos Estados Unidos. Eles começaram a namorar somente em 2010, após reencontro inusitado dentro de um elevador do prédio onde moravam na Alameda Jaú, em São Paulo. Em 2012, Pelé apresentou Marcia como sua “namorada oficial” no Golden Foot, que aconteceu em Mônaco. Desde então, ele a leva a todas festas e eventos para os quais é convidado, assim como em seus compromissos pelo mundo.