Pular para o conteúdo principal

.

.

Caminho de Emaús




Ao relembrar a passagem bíblica do caminho de Emaús, fico emocionado por saber que o mesmo acontecimento se faz presente nos dias atuais. Recordem-se de que dois discípulos de Jesus, quando caminhavam para Emaús, sentiram-se desanimados. Propensos a desistir, Jesus ressurreto pôs-se a caminhar junto deles, e por Ele foram encorajados.

De uma maneira similar, este episódio acontece sempre que estamos reunidos em nossos ofícios e cultos dominicais porque, assim como os dois discípulos, somos encorajados e guiados por Jesus.

Por isso, a narrativa da Ressurreição é um dos fundamentos principais da nossa Igreja. E pelo fato de estarmos reunidos na igreja visível, Jesus se faz conosco, pois ela é sinal de Sua real presença entre nós. Assim sendo, nós somos templos vivos do Cristo ressurreto. Irmãos e irmãs há, para mim, três fases nessa narrativa. Observem:

A primeira é que sem avisar, Jesus aproxima-se dos discípulos, que estão desapontados e tristes, e caminham juntos. Este fato acontece conosco também. Muitas vezes Jesus caminha conosco e nós não percebemos sua presença. A segunda acontece quando Jesus pergunta: “O que foi? Aconteceu alguma coisa triste?” Ao narrarmos nossa tristeza, Ele nos anuncia o Evangelho: “você não conhece o amor divino e está preso no próprio mundo. Mas, quando você desprender-se do seu mundo, estará libertado para uma nova vida e viverá no mundo de Deus, onde receberá a verdadeira salvação.”

Jesus ainda nos ensina isso dizendo: “minha morte teve o objetivo de trazer para as pessoas o amor divino.” Ao ouvirmos estas palavras, ficamos animados e insistimos para que ele fique conosco por mais tempo.

A terceira se constitui no partir do pão e de sua entrega. Marcando a cena da última ceia, esta fase nos faz anunciar a sua morte e proclamar a sua ressurreição. Isto significa que Jesus e nós nos tornamos um só corpo. Ele vivifica a (e em) nossa vida, quando nós partimos o pão na fé e juntos comemos. É sempre assim em nossa Santa Eucaristia – nós partimos e comemos do pão e bebemos do vinho. Este é o mesmo acontecimento de Emaús.

Portanto, é na Eucaristia que podemos nos encontrar intimamente com Jesus e adquirirmos forças espirituais para a nossa realidade. E lembrem-se: no caminho de Emaús Jesus ensinou àqueles dois discípulos que Ele sempre estará presente quando solicitado, porque Jesus, o Cristo, é o pão da vida e o cálice da salvação.

Agradeçamos a Deus porque podemos, hoje, comungar o corpo e o sangue de seu filho, Jesus, e acreditamos que Ele estará sempre conosco.

Dom Hiroshi Ito
Bispo Diocesano

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

o que esperar de uma igreja anglicana?

Pense nesta página como seu “Guia de Primeira Viagem a uma Igreja Anglicana”. Muito importante, lembre-se disso: você será bem-vindo(a). Nós damos a você as especiais boas vindas para que venha participar de nossos cultos e oferecemos este documento como uma breve introdução à Igreja Anglicana e seu jeito de ser. católica ou evangélica? No Anglicanismo, há aquelas igrejas que são chamadas de anglo-católicas, por se darem mais ênfase aos sacramentos e ao modo de pensar do cristianismo medieval inglês. Outras, chamadas evangélicas, dão mais valor aos princípios da reforma inglesa, no século XVI, como a pregação da palavra. A maioria das igrejas anglicanas fica no meio termo entre essas duas correntes. Este guia visa a mostrar o que pode-se encontrar em uma igreja anglicana genérica, independente da corrente litúrgica ou teológica que venha a seguir. o lugar de adoração Ao entrar, você vai perceber uma atmosfera de adoração e reverência. As Igrejas anglicanas são construídas em vários est…

Boletim Paroquial - 05 de junho de 2017

EDITORIAL - O Teólogo Christopher L. Webber escreveu que embora "a forma romana do Cristianismo houvesse se tornado uma influência dominante na Bretanha e em toda Europa ocidental, o Cristianismo Anglicano continuou a ter uma qualidade distintiva por causa da sua herança Celta". Nós da Igreja Anglicana de Santos herdamos traços da Igreja Celta pré-Niceno, uma Comunidade Sacramental. Praticamos a simplicidade da fé a qual permeia nossas vidas diárias, e reverenciamos a criação de Deus. Enfatizamos os Sacramentos como um lugar onde Deus e a humanidade se encontram. Cada um de nós é comissionado por Deus e uns pelos outros para que possamos crescer em fraternidade, adoração, oração, estudo das Escrituras, e outras práticas da Igreja dos primeiros tempos. Nós professamos uma fé Cristã  que transcende as divisões políticas e culturais. Nós damos as boas vindas para todas as pessoas. Todos são bem-vindos à Mesa do Senhor e a todos os seus sacramentos. Fruto de nossa tradição celta…

Mensagem de Natal do Arcebispo Justin Welby

22 de dezembro de 2016 Saudações em Nome de Jesus, a Palavra feita carne, o Emanuel, que veio para habitar entre nós, pela acção de Deus e pela obediência da sua Bem-aventurada Mãe, a portadora de Deus. Em Novembro, visitei o Paquistão para expressar a minha solidariedade com as comunidades Cristãs espalhadas por esse país, que tanto têm sofrido nos últimos anos. Recordamos o massacre de inocentes que cultuavam a Deus no Domingo de Páscoa em 2016 na cidade de Lahore, e antes disso, os ataques em Peshawar no Natal de 2013 e muitos outros incidentes. Esses ataques estavam pensados não apenas para infligir um forte sofrimento, mas também para semear o medo no coração dos Cristãos e de outras comunidades minoritárias. Durante a minha visita falei com alguns dos sobreviventes desses ataques, e senti-me muito comovido e humilde diante da sua extraordinária coragem ao continuarem a ser fieis em testemunhar a sua fé em Jesus. Diziam que agora sabiam mais do que nunca que Jesus é o Bom Pastor…