Pular para o conteúdo principal

Postagens

DEUS NÃO AMA A TODOS

Mensagem do Rev. Leandro Antunes Campos em 06/08/2017
Festa da Transfiguração de Jesus Cristo A afirmação de que "Deus não ama a Todos" parece contradizer toda a lógica e as Sagradas Escrituras a primeira vista, mas sua intenção é suscitar uma reflexão franca e mais profunda da fé. O senso comum nos diz que cada pessoa é capaz de fazer um "Mix Religioso" pegando de cada tradição religiosa aquilo que mais lhe apraz e descartando "o resto", como se isso fosse possível. Os sociólogos da religião demonstram "o trânsito religioso" e ultimamente a dupla, tripla ou poli - filiação religiosa. Há uma relativização dos ensinamentos cristãos co-existindo com ensinamentos e filosofias de outras correntes de pensamento, mesmo aquelas que são incompatíveis com o cristianismo. Em João 3:16 está escrito: "Que Deus amou o mundo de tal maneira que deu seu filho único para que todo que nele crê não pereça mas tenha a vida eterna." O mundo a que se refere…

.

.

NOTÍCIAS DA CATEDRAL ANGLICANA DE SÃO PAULO

Postagens recentes

Somos todos inúteis

Mensagem do Rev. Leandro Antunes Campos, 30 de julho de 2017 Texto Bíblico: Mateus 13:44-52 Vemos em nossos dias uma "ausência de valores e princípios" na sociedade e no mundo. Fazer o bem parece uma "exceção" quando deveria ser a regra. Certo dia vi um polêmica nas redes sociais quando uma pessoa expressou sua gratidão após perder sua carteira e tê-la devolvida com dinheiro e cartões. Um seguidor postou que a pessoa que encontrou a carteira não fez mais "do que sua obrigação". De fato Jesus nos alerta que os discípulos (servos) devem fazer tudo que é ordenado sem esperar recompensas, uma vez que esta é sua missão. Em Lucas 17, 10 está escrito: "Quando fizerdes tudo que vos foi ordenado dizei: somos servos inúteis, fizemos somente o que devíamos fazer". Em 2017 celebramos os 500 anos da Reforma Protestante, e poucos de nós, tem a consciência de como essa reforma impactou a fé cristã, os costumes e práticas, e principalmente os rumos da história…

O ANGLICANISMO MORREU

Mensagem do Rev. Leandro Antunes Campos, 23 de julho de 2017 Texto Bíblico: Mateus 13:13:24-30, 36-43
A primeira década do século 21, o primeiro século do terceiro milênio foi marcado pela SECULARIZAÇÃO.
Em termos de comportamento, o mundo ocidental e nele o Brasil tem visto a drástica diminuição da população que se declara religiosa.
Eu, por minha conta e risco, ouso dizer que dentre o número que se declara ANGLICANO muitos: não frequentam regularmente a Santa Eucaristia dominical;não praticam a Oração Diária;não leem a Bíblia;não buscam os sacramentos da Igreja;Nem tão pouco convidam o reverendo para tomar uma simples café em suas residências. Os 207 anos da Presença Anglicana no Brasil são marcados pela busca da construção de uma Identidade onde destaco três características:
Sermos uma Igreja Cristã, i.e., capazes de responder a questão: Somos a Igreja que Jesus sonhou que seríamos ao fundar a Igreja?Conhecer e crer nos Ensinamentos de Jesus e os Apóstolos, i.e., conhecer os Evangelhos…

Boletim Paroquial 20 de julho de 2017

A adoração na igreja viva
Por Rubem Amorese

Em seu livro A Igreja Autêntica (Ultimato/ABU), John Stott diz sonhar com uma igreja viva: uma igreja bíblica, adoradora, acolhedora, que serve e que espera pelo Senhor. Curiosamente, associa vida a autenticidade, como se fossem gêmeas. De fato, a igreja viva é também autêntica, e vice-versa. Sem hierarquizar esses "sinais de vida", Stott dedica atenção a cada um desses sinais, separadamente.

Incentivado por ele, gostaria de refletir sobre aspectos da adoração nessa igreja viva. E já inicio concordando com ele sobre o caráter bíblico da verdadeira adoração, lembrando que não são poucas, nos evangelhos e nas cartas, as recomendações sobre a ordem no culto, o falar de si para si mesmo, as orações vazias e repetitivas, e tantas outras máculas à autenticidade das celebrações.

Buscamos, então, em todas essas recomendações, algumas lições que podem nos ajudar a melhor conduzir a adoração na igreja.
A razão da adoração

A ad…

Renovação de Provisão Canônica

• Renovação da Jurisdição Local da Presença Anglicana em Franca
Fica renovado o Ponto Missionário Anglicano em Franca.


• Renovação de Provisão Canônica
Foi renovada nesta data a Provisão Canônica do Ministro Pastoral Tiago Bezerra Bastos.

Santos, 14 de julho de 2017
Reverendo Leandro Antunes Campos Reitor da Igreja Anglicana de Todos os Santos

Boletim Paroquial - 05 de julho de 2017

A FAMÍLIA ANGLICANA DO SÉCULO 21
A Igreja Anglicana deveria abandonar a ideia de que possui os mesmos pontos de vista em todo o mundo, é o que propôs o arcebispo de Canterbury. “As diferenças entre as nossas sociedades e culturas, bem como a velocidade das mudanças culturais em grande parte do norte global, induzem-nos a nos dividirmos enquanto cristãos, ao mesmo tempo em que o comando nas Escrituras, a oração de Jesus, a tradição da Igreja e a nossa compreensão teológica urgem a unidade”... E ainda, “uma família anglicana do século XXI deve ter espaço para uma discordância profunda, e até mesmo para uma crítica mútua, desde que nos mantenhamos fiéis à revelação de Jesus Cristo, juntos”. Arcebispo Justin Welby, publicada por The Independent, 17-09-2015.
SÃO TOMÉ, APÓSTOLO
O apóstolo Tomé tinha o apelido de Dídimo, que quer dizer "gêmeo”. Era pescador, natural da Galiléia. Quando Jesus o encontrou, o admitiu entre seus discípulos. São Tomé foi um dos doze apóstolos de Jesus e o seu …

Boletim Paroquial - 29 de junho de 2017

CENTENÁRIO DA CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL SANTOS
A História da Cruz Vermelha Brasileira se iniciou no ano de 1907, graças à ação do Dr. Joaquim de Oliveira Botelho, espírito culto e cheio de iniciativa que, inspirando-se naquilo que testemunhara em outros países, sentiu-se animado do desejo de ver, também aqui, fundada e funcionando, uma Sociedade da Cruz Vermelha. Junto com outros profissionais da área de saúde e pessoas da sociedade promoveu uma reunião em 17 de outubro daquele ano na Sociedade de Geografia do Rio de Janeiro, para lançamento as bases da organização da Cruz Vermelha Brasileira. Em reunião realizada em 5 de dezembro de 1908, foram discutidos e aprovados os Estatutos da Sociedade. Esta data ficou consagrada como a de fundação da Cruz Vermelha Brasileira, que teve como primeiro Presidente o Sanitarista Oswaldo Cruz. O registro e o reconhecimento da entidade nos âmbitos nacional e internacional se deu nos anos de 1910 e 1912, sendo que a I Grande Guerra (1914/1918) co…